Artefacto

Nome: Paula Xavier

Idade: 43

Marca: Artefacto

Local: Almada - Portugal


“Crafter” como hobbie ou profissão?

Actualmente trata-se de um hobbie ou melhor part-time que é levado muito a sério e que anda de mãos dadas com uma enorme vontade de o tornar como algo ainda mais sério.

Descreva o seu universo Craft...

É um Universo de bonecas, onde reina a magia e a cor que apareceu por oposição ao universo dos brinquedos electrónicos em que tudo funciona por si e quase não precisa das crianças para brincar. Na Artefacto considerámos que com tantos brinquedos electrónicos as crianças já não tinham necessidade de usarem a sua imaginação e fantasia. Faltava na nossa opinião a fantasia dos brinquedos à "moda antiga" que estimulam as nossas crianças e que as levam a conhecer um pouco do tempo e da riqueza das brincadeiras das nossas avós/pais.

E foi assim que tudo começou.…

Tudo começou quando eu era pequenina e me sentava ao pé da minha avó Helena, numa cadeirinha alentejana e ficava durante horas a olhar fascinada para o que as suas mãos faziam. Com ela fui aprendendo a gostar da costura, dos bordados, das linhas, dos pontos e pontinhos. Cresci, formei-me, casei, fui mãe e certo dia resolvi tentar algo dentro do mundo do artesanato. Comecei pela bijutaria, passei pela pintura têxtil e sem saber bem como nem porquê, certo dia lembrei-me das lindas bonecas de pano que tantas vezes tinha visto a minha avó fazer. Enchi-me de coragem e resolvi tentar. Para meu espanto, a minha primeira boneca (feita em feltro) tinha ficado bem melhor do que esperava. Gostei bastante do resultado final e a opinião de amigos e familiares foi bastante positiva e no sentido de continuar a fazer bonecas. Nasceu assim a nossa primeira boneca: a Mafalda. Com esta primeira boneca confeccionada em feltro, e com a experiencia que me provem do facto de ser mãe, rapidamente me apercebi que embora este fosse um material bastante versátil, surgiam questões como a limpeza e a manutenção que tornava impraticável o uso da Mafalda como brinquedo eleito para o acompanhamento da criança nas suas aventuras do dia-a-dia. Passei então à construção da Mafalda em tecido 100% algodão. A partir da Mafalda, foram nascendo outros bonecos: o Duende da Felicidade, o Duende do Amor, A Maria, A Joana, O Becas, etc, etc…


Como a sua marca surgiu?


O Nome da marca foi uma tarefa que coube ao meu marido, mas foi algo quase intuitivo. Se os nossos trabalhos eram todos confeccionados à mão e de forma artesanal então eram um artefacto (“habilidade de fazer”, é um produto resultante da actividade e habilidade humana, algo feito à mão de forma artesanal).

Quais são as suas fontes de inspiração?


As crianças, as histórias infantis, as revistas e programas de artesanato.

Conte sobre os materiais e as cores que mais te encantam?


A minha grande paixão (ou paixões) é os tecidos, as fitas e fitinhas, os botões, as linhas, tudo o que tenha a ver com o mundo dos tecidos.

Quais as suas preferências ao criar?


Embora tenha dois filhos rapazes (lindos!), o Carlos e o João, tenho tendência para pensar no universo das meninas e em tudo o que isso envolve: as cores mágicas como o rosa e o azul, as fadas, os duendes, as bonecas, as rendas, os bordados…


Trabalha sozinha ou em equipe? Conte um pouco como é sua rotina de trabalho:

Trabalho sozinha em casa (nos poucos tempos livres que tenho), embora o meu marido (António Xavier) seja um pilar (em todos os aspectos) para mim. É ele que divulga os meus (nossos) trabalhos, que trata do blogue a agora do recente e novo site, que tira as fotos, que responde a e-mails, etc. No fundo a parte da confecção é feita por mim, mas sou apoiada por uma equipa fantástica (marido e filhos) que me apoiam incondicionalmente. Trata-se de um projecto a quatro que me dá muito prazer fazer.

Ao caminhar quais os seus projectos e ideias...

Tenho montanhas de projectos na minha cabeça, outras tantas carradas de esboços para passar para o pano…mas tenciono continuar a desbravar o caminho que tracei para a Artefacto. Espero conseguir com este projecto aumentar cada vez mais o gosto das nossas crianças pelo que é simples e nacional, permitindo-lhes sonhar, actividade essa quase desconhecida no nosso dia-a-dia. Tenho (temos) como grande meta vir um dia a abrir uma loja ou atelier onde possa expor, divulgar e vender os meus trabalhos e os trabalhos de outros artesãos, a par da venda de material para o mundo fantástico do artesanato.

Sua sugestão para quem está iniciando:

Embora eu própria ainda me considere muito no início, penso que o mais importante é acreditarem em si e nas suas ideias. Sejam fiéis ao caminho que desejam seguir no mundo craft. Com muita força de vontade, muita dedicação e muito empenho vão com certeza atingir os vossos objectivos. Aceitem críticas, mas não permitam nunca que os tentem deitar a abaixo. Façam e desfaçam até atingirem a “excelência” (a vossa “excelência”).

Uma dica (s) sua de artesanato:

Na sequência do que respondi na questão anterior, acho que devem dedicar-se a 200% em tudo o que fazem. Dediquem atenção, carinho, amor a cada uma das vossas peças, pois cada uma é uma peça única e irrepetível. Em artesanato não existem duas peças iguais.


Na sua opinião qual o diferencial do artesanato do seu país com o artesanato de outras partes do mundo?

O nosso artesanato, os nossos artesãos são tão bons como quaisquer outros, têm é na minha opinião menos oportunidades. O artesanato e os artesãos no nosso país começaram agora a serem vistos de uma forma mais aberta e abrangente, mas ainda temos um longo caminho a percorrer a nível de oferta de produtos, de formação, de divulgação se nos quisermos tentar comprar por exemplo com o Brasil. Cá ainda existem muitas barreiras que não permitem aos novos artesãos entrarem nesse mundo e divulgarem os seus trabalhos. Veja-se o caso de algumas feiras como a Crafts & Design, que não permite a “entrada” e divulgação de novos artesãos, não porque eles não sejam tão bons como os que lá estão, mas por uma questão de “política” própria.

Se fosse um aviamento (material de trabalho) qual você seria?
Seria com toda a certeza um tecido.

Uma pequena lição de vida:
Viva a vida de uma forma positiva, com verdade e acredite em si.

Como a internet influencia o seu trabalho?

Influencia imenso. Trata-se de um mundo sem barreiras ou limites. É através dela que divulgo o meu trabalho, que comunico com outros artesãos e clientes, que ajudo e recebo ajudo, que troco conhecimentos e novas experiências.

Qual o endereço do seu blogue ?

http://artefactopxavier.blogspot.com/


8 comentários:

Anonymous disse...

Olá para béns por estes magníficos trabalhos. Não conhecia o blogue nem o site e estou espantada com tudo: trabalhos lindissimos.

Ana Raquel

Wind Zackie disse...

As bonecas são muito lindas! Parabéns! =D

myleta disse...

ADORO e sou Fã incondicional das Mafaldas da Artefacto!!!
Mas para além de gostar dos seus trabalhos, dos pormenores e do amor colocado em cada um deles, gosto muito da Paula, é sem dúvida um ser humano fantástico e que no (pouco) tempo que já privamos, demonstrou ser um excelente ser humano, amável, sincera, disponível...Desejo que os vossos sonhos se tornem em realidade!
Um bem haja pela entrevista!!!!
Artefacto FOREVER!

Marcia_bordados disse...

Adorei a entrevista.Sao lindas as bonecas.Parabéns! abraços

CROCHEETRICOPARAOSPEQUENINOS disse...

Oi amiga! passei para uma visitinha e amei a entrevista. Realmente as brincadeiras de antigamente precisam ser resgatadas, assim como os brinquedos. Vejo as minhas netas que pouco ou nada sabem sobre brincar "de casinha" por exemplo.
Abraços
Inez

Artefacto disse...

Obrigada a todos...Celeste deixaste-me sem palavras...beijos

Paula Xavier -

Casa das Bonecas de Pano de Ipiabas disse...

Oi, vim agradecer a sua visita e ler um pouco do seu blog gostei muito está de parabéns um bj com carinho da Leila

♥ Carine Calé ♥ disse...

Querida Paula,

Suas bonecas de pano são lindas e exclusivas, o melhor é que elas são para todas as idades né?!

Parabéns pelo seu trabalho e obrigada por fazer parte do entrevista com Quiane!!!

Beijinhosss
Carine

add